João Neto

Lic. Bioquímica | MSc. Biotecnologia Industrial e Ambiental | Estágio no Netherlands Cancer Institute

O meu percurso académico começou em Setembro de 2010, quando ingressei na licenciatura em Bioquímica da UA. Sempre vivi a vida académica ao máximo sem nunca ter um plano futuro muito definido. E em 2013, quando tive de escolher um mestrado, apenas me perguntei “Qual é o curso que me dará mais oportunidades de emprego?” e na altura pensei que Biotecnologia Ambiental e Industrial era uma boa opção. Ingressei nesse mestrado mas rapidamente me apercebi que era “mais do mesmo” e na altura cheguei mesmo a pensar “não me vejo a fazer isto para o resto da minha vida”. Foi também nessa altura que decidi que queria ter uma experiência fora de Portugal e a partir desse momento investi forte em procurar um estágio de mestrado de excelência fora de Portugal. Não me interessava muito em quê, desde que fosse um laboratório de topo, que em ciência (para melhor ou para pior) se mede pelo fator de impacto das publicações científicas. Como tal, o que fiz foi, primeiro, selecionar os institutos mais bem cotados na Europa, e depois, selecionar os investigadores principais (PIs) desses institutos que nos últimos 5 anos tinham tido mais do que uma publicação nas revistas Science, Nature ou Cell. Enviei dezenas de emails, a maior parte sem resposta claro, mas alguns responderam, e acabei por decidir fazer o estágio no Netherlands Cancer Institute em Amesterdão. Quando lá cheguei foi um choque. O nível de investigação, de conhecimento, dos equipamentos, etc eram tão altos que eu no meio daquilo tudo senti-me muito “pequeno”. Por outro lado pensei “Isto é uma oportunidade única que acontece uma vez na vida e não a vou desperdiçar”. E foi isso que fiz, ao longo desse ano o meu único foco foi aprender o máximo possível. Pela primeira vez na minha vida académica a vida social passou para último plano. Ao longo desse ano, para além de tudo o que aprendi, aconteceu algo que não esperava. Apaixonei-me pela investigação em oncologia e decidi que “É isto que quero fazer para o resto da minha vida”. No início do estágio nunca tinha sequer tido uma cadeira de oncologia, não pensava sequer que investigação seria o meu futuro e muito menos pensava em fazer um doutoramento. Mas a vida trocou-me as voltas, e acabei o estágio com a certeza que isso seria o meu futuro e com várias ofertas de doutoramento em institutos de topo na Holanda, Bélgica e Reino Unido. Acabei por decidir continuar no laboratório onde fiz o estágio de mestrado pois já estava integrado na comunidade do instituto e tinha vários projetos promissores de investigação. Cinco anos depois, estou a escrever a minha tese de doutoramento. Tenho um artigo publicado na revista Nature Communications e mais 2 em revisão em revistas igualmente bem cotadas. Não sei o que o futuro me trará mas os meus objectivos são muito claros: continuar a fazer investigação em laboratórios de topo para, um dia, ter o meu próprio laboratório e linhas de investigação.

Estou muito agradecido à Universidade de Aveiro pois proporcionou-me 4 anos anos excelentes de vida académica e deu-me as ferramentas necessárias para construir o meu futuro.

Se há um conselho que vos posso dar é o seguinte. A UA (ou qualquer outra Universidade) vai-vos dar as ferramentas necessárias para vocês construírem a vossa carreira. Estas ferramentas são essenciais, mas não fiquem sentados no sofá agarrados às ferramentas, pois ter muitas ferramentas não serve de nada se não as usarem. É com a prática que se aprende. Eu aprendi mais num ano de trabalho do que em quatro anos de universidade. E será exatamente assim para todos vocês. Não tenham medo de escrever um email. Escrevam-no e mostrem (ou finjam) o quão entusiasmados estão por poder fazer um estágio (ou doutoramento ou whatever) no local xx, porque yy… A motivação é o fator mais importante para alguém vos contratar. Dá trabalho, sim dá, pois têm de se informar sobre tudo o que o laboratório (ou empresa, etc) fez nos últimos anos, o que vocês gostam desse projeto e o porquê. Mas sem trabalho ninguém vai a lado nenhum…

Boa sorte para todos!