Químicos pelo mundo – Diogo Camoesas (Itália)

 

Nome: Diogo Camoesas

Curso: Biotecnologia

Ano: 2º ano

Local de ERASMUS: Pavia, Itália

Universidade: Universitá degli Studi di Pavia (Dipartamento di Biologia e Biotecnologie)

12516455_1095442070518956_1232325576_n

 – Qual foi a primeira foto que tiraste em ERASMUS?

1

              – Em que é que pensaste quando estavas no avião?

Pensei em como ia sobreviver nos primeiros dias, como iam ser os meus colegas de casa, como ia ser a Universidade… Cheguei 10 dias antes de começarem as aulas para me adaptar, pensei no que ia fazer nesses 10 dias, pensei se o avião ia cair… Não é fácil passar tanto tempo fora, mas estranhamente nunca cheguei a entrar em pânico de estar sozinho tão longe. Estive sempre pacífico, descontraído e a querer aproveitar ao máximo.

                – Porque escolheste esse país? E essa cidade?

Sem querer menosprezar todos os outros destinos de Erasmus que tinha para escolher (Espanha, Polónia, França, Turquia), escolhi Itália porque é um país semelhante ao nosso mas também um pouco diferente. Tem uma história fantástica e muitas cidades mundialmente conhecidas, como Roma, Veneza, Florença… Nunca tinha visitado Itália e achei uma excelente oportunidade para conhecer este país. A minha colega Inês Sá fez Erasmus em Pavia no ano letivo 2014/2015 e recomendou-me, o que me fez também ter uma pequena ideia do que me esperava aqui. Pavia tem uma excelente universidade, com grande história e bom prestígio tanto no campo científico como humanístico. O curso de Biotecnologia tem uma vertente farmacêutica, a qual eu gostaria de explorar no mestrado e aqui encontrei a possibilidade de poder fazer algumas cadeiras ligadas à biotecnologia farmacêutica.

               – Do que sentes mais falta na tua nova universidade em comparação com o nosso DQ?

A universidade aqui é constituída por vários polos e andamos a “saltar” de um para outro por isso quando acabam as aulas as pessoas dispersam-se, não há aquela união sempre presente do DQ, onde podemos encontrar a qualquer hora os nossos amigos porque é bem melhor estar na universidade que em casa. Também não há praxe… Mas até me estou a integrar nas turmas onde tenho aulas. É um bocado complicado porque os Italianos e o Inglês não combinam muito bem… Sinto falta do Português ou até mesmo do Inglês porque as aulas são todas em Italiano, mas com tempo aprenderei mais Italiano e de certeza que irá tudo correr bem.

                – Já provaste algum prato típico da cidade onde estás?

2

Itália, o paraíso das pizzas e da pasta. Aqui em Pavia há de tudo, mil e uma pizzarias, mas dizem que as melhores são em Nápoles, e a típica pasta. É sempre bom provar todos os pratos mas por vezes fica caro comer em restaurantes, por isso a maior parte das vezes faço como em Aveiro, compro comida no supermercado e cozinho em casa. Normalmente faço bifes com arroz ou bifes com massa, o que para eles é super confuso, porque os italianos comem geralmente dois pratos, um de massa com temperos e ingredientes, e depois (por exemplo quando têm tempo) um bife, no prato. Só… É estranho, eles acharem bife com massa confuso.

                – Do que é que tens mais saudades de Aveiro?

Felizmente o clima é semelhante, tirando o vento (esse não sinto falta). Tenho saudades dos meus colegas e das quintas académicas, é sempre bom encontrar amigos na praça a qualquer hora.

              Algumas Fotos:

3 4

 

Vídeo de Milão: https://www.youtube.com/watch?v=6Oni4zN0NXg

Vídeo de Como: https://www.youtube.com/watch?v=C5j0fXQZvSA

  – Uma mensagem a quem não tem coragem de ir de ERASMUS:

Ainda não terminei o meu Erasmus, ando por aqui a adaptar-me e já passou um mês (dos cinco que cá vou estar). O que posso dizer agora é: as faculdades podem não ser tão facilitadoras, o que é bom, porque realmente aprendes alguma coisa e não perdes meio semestre para a festa. Acho que ir para Erasmus é uma excelente decisão a nível pessoal como profissional. Fica sempre bem ter uma experiência que te valoriza no currículo e tens oportunidade de conhecer professores, investigadores que, quem sabe, podem fornecer-te contactos. Especialmente na nossa área das Químicas. Erasmus é uma experiência para quem ambiciona mudar de ares e aprender algo diferente, além de beber muito e conhecer milhares de pessoas com nomes mesmo estranhos, aprender turco, grego, alemão, francês e tudo menos a língua do país onde estão! Em praticamente todas as cidades de Erasmus existe a ESN (Erasmus Student Network), que te ajuda na integração e acabas por conhecer mais pessoal na mesma situação que tu, não há que ter medo. Vai! Vai correr tudo bem!

5

                – Uma mensagem a alguém especial de Aveiro:

Quero dar os meus parabéns a toda a equipa do NEQ que está a tomar muito bem conta do recado. Está a fazer um trabalho excelente e tenho pena de não poder estar a contribuir mais para este grande ano. Tentarei contribuir de cá com o que conseguir, apesar de ser um pouco complicado, mas tenho muito orgulho de poder estar a escrever isto agora para mais uma grande iniciativa “Químicos pelo mundo”. Espero que continue tudo a correr bem, em Setembro junto-me a vocês para terminar este mandato em grande!

6

Diogo Camoesas